Gestão & Produção
https://gestaoeproducao.com/article/doi/10.1590/1806-9649-2022v29e5621
Gestão & Produção
Artigo Original

Sustainability in practice: a study on the municipal public management of Teresina

A sustentabilidade na prática: um estudo sobre a gestão pública municipal de Teresina

Stênio Lima Rodrigues; Francisco Antônio Gonçalves de Carvalho; Egberto Batista de Oliveira; Jairo de Carvalho Guimarães

Downloads: 0
Views: 139

Abstract

Abstract: As a result of population growth in large cities, increase in consumption, and, consequently, in production, the bodies responsible for planning, evaluation, and execution of public policies need to implement strategies aimed at environmental preservation and the construction of sustainable cities. The objective of this study is to analyze sustainability actions in the city of Teresina, Piauí. To this end, descriptive-exploratory research was conducted using the Case Study method and qualitative approach. The last Pluriannual Plan prepared for the period from 2014 to 2017 and its reports on the execution of activities in the period were used. The results found allowed the categorization of the actions from a sustainable perspective, also covering the social, economic, and environmental dimensions. The study concluded that there was a prevalence in the actions of the economic sphere, both in the quantity of actions carried out and in resources employed. Therefore, there is a need for greater investments in the environmental and social areas, in order to promote a well-balanced sustainable development.

Keywords

Sustainability, Public Management, Efficiency, Pluriannual Plan, Teresina

Resumo

Resumo: Com o crescimento populacional nas grandes cidades, com o aumento do consumo e, consequentemente, da produção, os órgãos de planejamento, avaliação e execução de Políticas Públicas precisam acionar ferramentas que visem à preservação ambiental e a construção de cidades sustentáveis. O objetivo deste trabalho consiste em analisar ações de sustentabilidade no município de Teresina, Piauí. Para tanto, realizou-se uma pesquisa com a utilização da técnica do Estudo de Caso, de natureza descritiva-exploratória e abordagem qualitativa. Utilizou-se o último Plano Plurianual elaborado para o período de 2014 a 2017 e os seus relatórios de execução das atividades no período. Os resultados encontrados permitiram a categorização das ações na perspectiva da sustentabilidade, abrangendo, ainda, as dimensões social, econômica e ambiental. Conclui-se que houve uma prevalência nas ações da esfera econômica, tanto em quantidade de ações realizadas como em recursos empregados. Portanto, há necessidade de maiores investimentos nos campos ambiental e social, a fim de se promover um desenvolvimento sustentável equilibrado.
 

Palavras-chave

Sustentabilidade, Gestão Pública, Eficiência, Plano Plurianual, Teresina

Referências

Abreu, I. S., & Bussinguer, E. C. A. (2013). Antropocentrismo, ecocentrismo e holismo: uma breve análise das escolas de pensamento ambiental. Revista Direito e Mudança Social, 34(1), 1-10. Retrieved in 2021, June 22, from https://www.derechoycambiosocial.com/revista034/escolas_de_pensamento_ambiental.pdf

Alves, J. E. D. (2014). Sustentabilidade, aquecimento global e o decrescimento demo-econômico. Revista Espinhaço, 3(1), 4-16. http://dx.doi.org/10.5281/zenodo.3966040.

Brasil. (1981). Lei nº 6.938 de 1981. Dispõe sobre a Politica Nacional do Meio Ambiente. Brasília, DF: Diário Oficial da República Federativa do Brasil. Retrieved in 2021, June 22, from http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/l6938.htm

Brasil. (1988). Constituição da República Federativa do Brasil de 1988. Retrieved in 2022, April 5, from http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/constituicao/constituicao.htm.

Brasil. (2013). Lei nº 4.483 de 13 de dezembro de 2013. Dispõe sobre o Plano Plurianual para o quadriênio de 2014/2017. Brasília, DF: Diário Oficial da República Federativa do Brasil. Retrieved in 2021, December 20, from https://leismunicipais.com.br/a/pi/t/teresina/lei-ordinaria/2013/449/4483/lei-organica-teresina-pi

Brasil. (2016). Lei nº 4.971 de 26 de dezembro de 2016. Altera a Lei nº 4.483, de 13 de dezembro de 2013, com alterações posteriores, em especial pela Lei nº 4.953, de 16 de novembro de 2016, que dispõe sobre o Plano Plurianual para o quadriênio de 2014/2017, na forma que especifica. Brasília, DF: Diário Oficial da República Federativa do Brasil. Retrieved in 2021, December 20, from http://semplan.teresina.pi.gov.br/wp content/uploads/sites/39/2018/06/PPA-2014-2017-Atualizacao-apos-reforma administrativa.pdf

Callado, A. L. C., & Fensterseifer, J. E. (2010). Indicadores de sustentabilidade: uma abordagem empírica a partir de uma perspectiva de especialistas. In Anais do 13° Simpósio de Administração da Produção, Logística e Operações Internacionais. São Paulo: FGV-EAESP.

Carvalho, P. G. M., & Barcellos, F. C. (2010). Mensurando a sustentabilidade. In P. May. Economia do ambiente (2. ed., pp 99-126). Rio de Janeiro: Elsevier.

Cooper, D. R., & Schindler, P. S. (2011). Métodos de pesquisa em administração (10. ed.). Porto Alegre: Bookman.

Corrêa, C. C., Liston, R. F., Barbos, A. C., Silva, C. P., & Barczsz, S. S. (2010). Gestão pública e desenvolvimento sustentável: a importância da implantação de plano diretor no ato de criação de um município. In Anais do 48° Congresso da SOBER. Brasília: SOBER.

Cracco, A. S. (2011). Sustentabilidade como diferencial competitivo. Lins: Pós-graduação em Gestão Empresarial, Centro Universitário Católico Salesiano Auxilium.

Denzin, N. K., & Lincoln, Y. S. (2017). The sage handbook of qualitative research (5th ed.). Los Angeles, USA: Sage Publications.

Dias, R. (2007). Marketing ambiental. São Paulo: Atlas.

Elkington, J. (1994). Towards the sustainable corporation: win-win-win business strategies for sustainable development. California Management Review, 36(2), 90-100. http://dx.doi.org/10.2307/41165746.

Elkington, J. (2012). Canibais com garfo e faca (pp. 1-100). São Paulo: Makron Books.

Fischer, M. L., Cunha, T., Renk, V., Sganzerla, A., & Santos, J. Z. D. (2017). Da ética ambiental à bioética ambiental: antecedentes, trajetórias e perspectivas. História, Ciência, Saúde – Manguinhos, 24(2), 391-409. http://dx.doi.org/10.1590/S0104-59702017000200005. PMid:28658423.

Gladwin, T. N., Kennelly, J. J., & Krause, T. S. (1995). Shifting paradigms for sustainable development: implications for management theory and research. Academy of Management Review, 20(4), 874-907. http://dx.doi.org/10.2307/258959.

Godoy, A. S. (1995). Introdução à pesquisa qualitativa e suas possibilidades. Revista de Administração de Empresas, 35(2), 57-63. http://dx.doi.org/10.1590/S0034-75901995000200008.

Instituto Brasileiro de Geografica e Estatística – IBGE. (2010a). Censo Demográfico. Rio de Janeiro: IBGE. Retrieved in 2021, June 25, from https://www.ibge.gov.br/estatisticas/sociais/populacao/25089-censo-1991-6.html?=&t=o-que-e

Instituto Brasileiro de Geografica e Estatística – IBGE. (2010b). Pesquisa Nacional do Saneamento Básico. Rio de Janeiro: IBGE. Retrieved in 2021, June 25, from de https://www.ibge.gov.br/estatisticas/multidominio/meio-ambiente/9073-pesquisa-nacional-de-saneamento-basico.html?=&t=o-que-e

Instituto Brasileiro de Geografica e Estatística – IBGE. (2021a). Estimativas de População – EstimaPop. Retrieved in 2021, June 7, from https://sidra.ibge.gov.br/pesquisa/estimapop/tabelas

Instituto Brasileiro de Geografica e Estatística – IBGE. (2021b). Estrutura territoriais. Retrieved in 2021, June 7, from https://www.ibge.gov.br/geociencias/organizacao-do-territorio/estrutura-territorial/15761-areas-dos-municipios.html?=&t=acesso-ao-produto

Kuhlman, T., & Farrington, J. (2010). What is sustainability? Sustainability, 2(11), 3436-3448. http://dx.doi.org/10.3390/su2113436.

Loures, R. C. F. A. (2009). A compatibilização da operação de usinas com a ictiofauna. Ação Ambiental, 12(41), 24-28. Retrieved in 2021, December 20, from https://www.researchgate.net/publication/253237944_A_compatibilizacao_da_operacao_de_usinas_com_a_ictiofauna

Machado, D. Q., & Matos, F. R. N. (2020). Reflexões sobre desenvolvimento sustentável e sustentabilidade: categorias polissêmicas. REUNIR Revista de Administração, Contabilidade e Sustentabilidade, 10(3), 14-26.

MacNeill, J., Winsemius, P., & Yakushiji, T. (1992). Para além da interdependência: a relação entre a economia mundial e a ecologia da Terra. Rio de Janeiro: Jorge Zahar.

MapBiomas. (2021). Projeto MapBiomas. Coleção 4.0 da Série Anual de Mapas de Cobertura e Uso de Solo do Brasil. Retrieved in 2022, April 5, from https://mapbiomas.org/.

Milaré, É. (2009). Direito do ambiente: a gestão ambiental em foco (6. ed.). São Paulo: RT.

Minayo, M. C. S. (2012). Análise qualitativa: teoria, passos e fidedignidade. Ciencia & Saude Coletiva, 17(3), 621-626. http://dx.doi.org/10.1590/S1413-81232012000300007. PMid:22450402.

Moreira, D. F., No. (2007). Mutações do Direito Administrativo (3. ed). Rio de Janeiro: Renovar.

Organização das Nações Unidas – ONU. (2021). Transformando Nosso Mundo: A Agenda 2030 para o Desenvolvimento Sustentável. Traduzido pelo Centro de Informação das Nações Unidas para o Brasil (UNIC Rio). Retrieved in 2021, May 25, from https://sustainabledevelopment.un.org

Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento – PNUD. (2010). Atlas do Desenvolvimento Humano 2010. Retrieved in 2021, June 8, from http://www.atlasbrasil.org.br/

Rodrigues Bruno, F. M., & França Matos, R. G. (2020). A proteção ambiental por meio da efetividade das políticas públicas na consolidação da cidadania socioambiental. Revista de Ciências Humanas e Sociais, 1(1), 57-81. Retrieved in 2021, April 4, from https://revistas.ufob.edu.br/index.php/revistasul-sul/article/view/671

Salheb, G. J. M., Peres, H. A. P. P., No., Oliveira, I. M., Amaral, M. F., Jr., Boettger, R. J. C. S., & Monteiro, V. C. S. (2009) Políticas públicas e meio ambiente: reflexões preliminares. Revista Internacional de Direito Ambiental e Políticas Públicas, 1(1), 1-23. Retrieved in 2021, June 25, from de https://periodicos.unifap.br/index.php/planeta/article/view/57/v1n1Gleidson.pdf

Sartori, S., Latrônico, F., & Campos, L. M. S. (2014). Sustentabilidade e desenvolvimento sustentável: uma taxonomia no campo da literatura. Ambiente & Sociedade, 17(1), 1-22. http://dx.doi.org/10.1590/S1414-753X2014000100002.

Sena, A. M. C., Matos, F. R. N., Mesquita, R. F., & Machado, D. Q. (2017). Abordagem grassroots e resistência: atualizando a concepção de desenvolvimento sustentável. Cadernos EBAPE.BR, 15(3), 651-666. http://dx.doi.org/10.1590/1679-395152097.

Silva, S. T. (2003). Políticas públicas e estratégias de sustentabilidade urbana (Série Grandes Eventos – Meio Ambiente). São Paulo: RCC Brasil.

Sirvinskas, L. P. (2008). Manual de direito ambiental (6. ed.). São Paulo: Saraiva.

Teresina. Prefeitura Municipal. (2021). Teresina. Retrieved in 2021, June 8, from https://pmt.pi.gov.br/teresina

Secretaria Municipal do Meio Ambiente e Recursos Hídricos – SEMAM. (2021). Institutional. Retrieved in 2021, June 8, from https://semam.teresina.pi.gov.br/institucional/

Secretaria Municipal do Meio Ambiente e Recursos Hídricos – SEMPLAN. (2021). Plano Plurianual. Retrieved in 2021, June 5, from from https://semplan.pmt.pi.gov.br

Weber, P. S. A. (1999). Gestão Ambiental na Empresa. Curitiba: Brasil – portal ambiental. Retrieved in 2021, June 15, from de https://ambientes.ambientebrasil.com.br/gestao/artigos/a_gestao_ambiental_na_empresa.html

Yin, R. K. (2016). Pesquisa qualitativa do início ao fim. Porto Alegre: Penso.
 

627510b3a95395334b0c32a3 gp Articles

Gest. Prod.

Share this page
Page Sections