Gestão & Produção
https://gestaoeproducao.com/article/doi/10.1590/0104-530x4708-20
Gestão & Produção
Artigo Original

The role of formalization in the insertion of social indicators in the supply chain of the popular garnment sector

O papel da formalidade na inserção de indicadores sociais na cadeia de suprimento do setor de confecção popular

Cristiane Mano do Nascimento; Minelle E. Silva

Downloads: 0
Views: 67

Abstract

Abstract: Under the supply chain sustainability debates and seeking to reduce the theoretical gap related to the social sustainability dimension, this research aims to analyze the relation between formalization and the insertion of social indicators in the supply chain of the popular garment sector in Fortaleza-CE. Using the case study strategy, 20 interviews were carried out with enterprises, direct suppliers and outsourced suppliers to cover the direct supply chain. Hence, were analyzed three categories - social responsibility, health and safety, and supplier development - and their 15 indicators. The results indicate that the formalization impacts on the insertion of social indicators, mainly in the category of health and safety. In addition, it was identified the possibility of informal work, even in the formalized companies, which demonstrates the need for a new look at this variable. With empirical demonstration, this study contributes to the study of social indicators in the supply chain and draws attention to informal labour relations in the local context.

Keywords

Social dimension, Supply chain, Formalization, Popular market

Resumo

Resumo: Considerando o tema sustentabilidade em cadeias de suprimento e buscando diminuir a lacuna teórica em torno do debate sobre a dimensão social da sustentabilidade, esta pesquisa tem como objetivo analisar a relação entre a formalidade e a inserção de indicadores sociais na cadeia de suprimento do setor de confecção popular em Fortaleza-CE. Por meio de um estudo de caso, foram realizadas 20 entrevistas com empresas focais, fornecedores diretos e terceirizados, o que abrange a cadeia direta de suprimento. Realizou-se análise de conteúdo a partir das categorias responsabilidade social, saúde e segurança e desenvolvimento de fornecedores e seus 15 respectivos indicadores. Os resultados indicam que a formalização impacta na inserção de indicadores sociais, principalmente na categoria de saúde e segurança. Além disso, identificou-se a possibilidade de existir trabalho informal, mesmo nas empresas formalizadas, o que demonstra a necessidade de um novo olhar para este indicador. Com demonstração empírica, essa pesquisa contribui com o estudo de indicadores sociais na cadeia de suprimento e chama atenção para relações informais de trabalho no contexto local.

Palavras-chave

Dimensão social, Cadeia de suprimento, Formalidade, Mercado popular

Referências

Abdala E. C., Barbieri J. C. Determinants of Sustainable Supply Chain: an analysis of mensuration models of pressures and socio-environmental practices. Journal of Operations and Supply Chain Management. 2014;7(2):110-22.

Almeida F. O bom negócio da sustentabilidade. 2002.

Alves A. P. F., Silva M. E. Reflexões empíricas sobre a dimensão social da Sustentabilidade em Cadeias de Suprimento: o que precisa mudar?. Revista de Gestão Ambiental e Sustentabilidade. 2017;6(1):13-25.

Andersen M., Skjoett-Larsen T. Corporate social responsibility in global supply chains. Supply Chain Management. 2009;14(2):75-86.

Araújo A., Amorim E. R. A. Redes de subcontratação e trabalho a domicílio na indústria de confecção: um estudo na região de Campinas. Cadernos Pagu. 2016;17-18:267-310.

Ashby A., Leat M., Hudson-Smith M. Making connections: a review of supply chain management and sustainability literature. Supply Chain Management. 2012;17(5):497-516.

Indústria têxtil e de confecção brasileira: cenários, desafios, perspectivas, agenda de competitividade da indústria têxtil e de confecção brasileira: 2015 a 2018. 2017.

Bardin L. Análise de conteúdo. 2011.

Campos S. A. P., Alves A. P. F., Pedrozo E. Responsabilidade social na cadeia de suprimento: construindo parcerias colaborativas entre organizações. 2014.

Carter C. R., Rogers D. S. A framework of sustainable supply chain management: moving toward new theory. International Journal of Physical Distribution & Logistics Management. 2008;38(5):360-87.

Carvalho A. P., Barbieri J. C. Inovações socioambientais em cadeias de suprimento: um estudo de caso sobre o papel da empresa focal. Revista de Administração e Inovação. 2013;10(1):232-56.

Castel R. As metamorfoses da questão social: uma crônica do salário. 1998.

Chen C. C., Shih H. S., Wu K. S., Shyur H. J. Using ANP for the selection of green supply chain management strategies. 2009:1-15.

Ciliberti F., Pontrandolfo P., Scozzi B. B. Investigating corporate social responsibility in supply chains: a SME perspective. Journal of Cleaner Production. 2008;16(15):1579-88.

Cirino S. M. Sustentabilidade no meio ambiente de trabalho: um novo paradigma para a valorização do trabalho humano. Revista Eletrônica Direito e Sustentabilidade. 2014;3(28):85-108.

Claro P. B. O., Claro D. P. Desenvolvimento de indicadores para monitoramento da sustentabilidade: o caso do café orgânico. Revista de Administração da Universidade de São Paulo. 2004;39(1):18-29.

Claro P. B. O., Claro D. P., Amâncio R. Entendendo o conceito de sustentabilidade nas organizações. Revista ADM. 2008;43(4):289-300.

Dicken P. Global shift: mapping the changing contours of the world economy. 2007.

Gaskell G. Pesquisa qualitativa com texto, imagem e som: um manual prático. Entrevistas individuais e grupais. 2002:64-89.

Glavič P., Lukman R. Review of sustainability terms and their definitions. Journal of Cleaner Production. 2007;15(18):1875-85.

Gold S. Sustainable supply chain management research in Brazil. Sustentabilidade em cadeias de suprimento: entre teoria e prática. 2016.

Goldenberg M. A arte de pesquisar: como fazer pesquisa qualitativa em Ciências Sociais. 2004.

Guerra I. C. Pesquisa qualitativa e análise de conteúdo: sentidos e formas de uso. 2006.

Hamann R., Agbazue T., Kapelus P., Hein A. Universalizing corporate social responsibility? South African challenges to the International Organization for Standardization’s new social responsibility standard. Business and Society Review. 2005;110(1):1-19.

Heleno E. Configurações do trabalho a domicílio nas confecções de roupa de jeans no município de Toritama. 2013.

Hirata H., Préteceille E. Trabalho, exclusão e precarização socioeconômica: o debate das ciências sociais na França. Caderno CRH. 2002;37:47-80.

Estimativa da população 2016. 2016.

Kanji G. K., Chopra P. K. Corporate social responsibility in a global economy. Total Quality Management. 2010;21(2):119-43.

Köksal D., Strahle J., Muller M., Freise M. Social sustainable supply chain management in the textile and apparel industry: a literature review. Sustainability. 2017;9(1):100.

Leão L. H. C., Vasconcellos L. C. F. Cadeias produtivas e a vigilância em saúde, trabalho e ambiente. Saúde e Sociedade. 2015;24(4):1232-43.

Lepoutre J., Heene A. Investigating the impact of firm size on small business social responsibility: a critical review. Journal of Business Ethics. 2006;67(3):257-73.

Lima J. C. Novas formas, velhos conteúdos: diversidade produtiva e emprego precário na indústria do vestuário. Revista Política e Trabalho. 1999;15:121-39.

Markley M. J., Davis L. Exploring future competitive advantage through sustainable supply chains. International Journal of Physical Distribution & Logistics Management. 2007;37(9):763-74.

Meixell M. J., Luoma P. Stakeholder pressure in sustainable supply chain management. International Journal of Physical Distribution & Logistics Management. 2015;45(1/2):69-89.

Mendes R., Campos A. C. C. Saúde e segurança no trabalho informal: desafios e oportunidades para a indústria brasileira. Revista Brasileira de Medicina do Trabalho. 2004;2(3):209-23.

Neutzling D. M. Sustentabilidade em cadeias de suprimento sob o olhar da estratégia. Sustentabilidade em cadeias de suprimento: entre teoria e prática. 2016.

Neves M. A., Pedrosa C. M. Gênero, flexibilidade e precarização: o trabalho a domicílio na indústria de confecções. Sociedade e Estado. 2007;22(1):11-34.

Pagell M., Wu Z. Building a more complete theory of sustainable supply chain management using case studies of 10 exemplars. The Journal of Supply Chain Management. 2009;45(2):37-56.

Samaranayake P. A conceptual framework for supply chain management: a structural integration. Supply Chain Management. 2005;10(1):47-59.

Seuring S. A review of modelling approaches for sustainable supply chain management. Decision Support Systems. 2013;54(4):1513-20.

Seuring S., Müller M. From a literature review to a conceptual framework for sustainable supply chain management. Journal of Cleaner Production. 2008;16(15):1699-710.

Seuring S., Sarkis J., Müller M., Rao P. Sustainability and supply chain management: an introduction to the special issue. Journal of Cleaner Production. 2008;16(15):1545-51.

Silva M. E., Nascimento L. F. Emphasizing social issues toward sustainable supply chain: a Brazilian perspective. Independent Journal of Management & Production. 2015;6(2):478-94.

Silva M. E., Nascimento L. F. (Re) pensando a intersecção entre sustentabilidade e cadeia de suprimento. Revista Espacios. 2016;37:4.

Silva M. E., Alves A. P. F., Barcellos M. D. “Sustainable Beef”: práticas para a sustentabilidade na cadeia da carne bovina gaúcha. Desenvolvimento em Questão. 2016;14(35):274-306.

Vachon S., Klassen R. Environmental management and manufacturing performance: the role of collaboration in the supply chain. International Journal of Production Economics. 2008;111(2):299-315.

Van Marrewijk M. Concepts and definitions of CSR and corporate sustainability: between agency and communion. Journal of Business Ethics. 2003;44(2):95-105.

Vargas J. O mundo, o Brasil e a informalidade no trabalho: uma abordagem conceitual. Revista Capital Científico Eletrônica. 2016;14:3.

Our common future. 1987.

Yawar S. A., Seuring S. Management of social issues in supply chains: a literature review exploring social issues, actions and performance outcomes. Journal of Business Ethics. 2017;141(3):621-43.

Yin R. Estudo de caso: planejamento e métodos. 2015.

Zacharia Z. G., Nix N. W., Lusch R. F. Capabilities that enhance outcomes of an episodic supply chain collaboration. Journal of Operations Management. 2011;29(6):591-603.

5ff6fb970e8825c96e5aeabc gp Articles

Gest. Prod.

Share this page
Page Sections