Gestão & Produção
https://gestaoeproducao.com/article/doi/10.1590/0104-530x4639-19
Gestão & Produção
Artigo Original

Risk management during construction of electric power substations

Gerenciamento de riscos durante a construção de subestações de energia elétrica

Flávia Simone Jerônimo Pereira; Willames de Albuquerque Soares; Eduardo Henrique Diniz Fittipaldi; Tomi Zlatar; Béda Barkokébas Junior

Downloads: 0
Views: 18

Abstract

Abstract The construction of electric power substations poses a great number of risks due to its dangerous environment. The objective of this work was to evaluate the perception of construction workers on risks, methods they use for evaluation and managing risks to which they are exposed. This study carried out a qualitative and quantitative analysis during the expansion of one electric substation, adding an additional 100 MVA power transformer. The risks were identified and analysed by using the Preliminary Risk Analysis (PRA). Additionally, a questionnaire on construction safety was created and applied on all 27 workers which participated in the construction. The results showed which activities are present during the construction of a power substation, which risks are involved and how to manage them. It was found that among several, the PRA and Checklists were the most commonly used analysis tools. Further on, it was found a relation between training and risk perception. Among perceived risks were: noise, working at heights, electric shocks, traffic accidents, poisonous animals, dust, fire and explosions. The conclusion of this study was that the construction of electric power substations brings several safety risks and that the instruction of workers allows an effective risk management, and can reduce the number of accidents in this type of working activity.

Keywords

Work safety, Civil construction, Electrical energy substation transmission, Electrical energy, Occupational risks evaluation

Resumo

Resumo A construção de subestações de energia elétrica representa um grande número de riscos devido ao seu ambiente periculoso. O objetivo deste trabalho foi avaliar a percepção dos trabalhadores da construção civil sobre os riscos, os métodos que utilizam para avaliação e o gerenciamento dos riscos a que estão expostos. Este estudo realizou uma analise qualitativa e quantitativa durante a expansão de uma subestação de energia elétrica, adicionando um transformador de potência de 100 MVA. Os riscos foram identificados e analisados utilizando a Análise de Risco Preliminar (APR). Além disso, um questionário sobre segurança na construção foi criado e aplicado em todos os 27 trabalhadores que participaram da construção. Os resultados mostraram quais atividades estão presentes durante a construção de uma subestação de energia, que os riscos envolvem e como gerenciá-los. Verificou-se que entre várias, as APR e Checklists eram as ferramentas de análise mais utilizadas. Mais adiante, foi encontrada uma relação entre treinamento e percepção de risco. Entre os riscos percebidos estavam: ruído, trabalho em alturas, choques elétricos, acidentes de trânsito, animais peçonhentos, poeira, incêndio e explosões. A conclusão deste estudo foi que a construção de subestações de energia elétrica traz diversos riscos de segurança e que a instrução dos trabalhadores permite um gerenciamento eficaz dos riscos, podendo diminuir o número de acidentes nesse tipo de obra.

Palavras-chave

Segurança do trabalho, Construção civil, Subestação de transmissão de energia elétrica, Energia elétrica, Avaliação de riscos ocupacionais

Referências

Subestação de transmissão. 2017.

Anuário estatístico brasileiro dos acidentes de origem elétrica ano base 2017. 2018.

NBR 14280: cadastro de acidente do trabalho. 2001.

NBR 5410: instalações elétricas de baixa tensão. 2008.

NBR 13231: proteção contra incêndio em subestações elétricas. 2015.

Barkokébas Jr. B. A contribuição da engenharia de segurança do trabalho na prevenção de acidentes e doenças ocupacionais. Tribunal Superior do Trabalho. 2014:167-77.

Programa de Investimento Em Energia Elétrica (PIEE) - 2015-2018. 2015.

Bridi M. E., Formoso C. T., Pellicer E., Fabro F., Viguer Castello M. E., Echeveste M. E. S. Identificação de práticas de gestão da segurança e saúde no trabalho em obras de construção civil. Ambiente Construído. 2013;13(3):43-58.

OHSAS 18001. 2017.

Cambraia F., Saurin T., Formoso C. Diretrizes para identificação, análise e disseminação de informações sobre quase-acidentes em canteiros de obras. Ambiente Construído. 2008;8(3):51-62.

Cardella B. Segurança no trabalho e prevenção de acidentes: uma abordagem holística. 2013.

Proposal for the creation of a new working group: management of risk in substations. 2014.

Edwards H. Fatal injuries arising from accidents at work in Great Britain. 2017.

DEA 001/17: projeção da demanda de energia elétrica. 2017.

Evolução dos dados por ano do setorelétrico para empresascontratante e terceirizadas entre osanos de 2004 a 2016 emrelaçãoaonúmero de acidentesfatais. 2018.

Custos acidentes de trabalho em 2016. 2017.

Quantidade de acidentes de trabalho, por situação do registro e motivo, segundo Classificação Nacional de Atividades Econômicas (CNAE), no Brasil- 2014/2016. 2018.

Koustellis J. D., Halevidis C. D., Polykrati A. D., Bourkas P. D. Analysis of a fatal electrical injury due to improper switch operation. Safety Science. 2013;53:226-32.

Marhavilas P. K., Koulouriotis D. E., Spartalis S. H. Harmonic analysis occupational – accident time – series a part of the quantified risk evaluation in worksites: application electric power industry and construction setor. Reliability Engineering & System Safety. 2013;112:8-25.

Miranda L. C., Sica Y. Gestão do sistema de segurança do trabalhobaseadonanorma OHSAS e na NR-10. Linguagem Acadêmica. 2017;7(2):85-95.

Nonnenmacher L., Costella M. F., Costella M. M., Saurin T. A. A framework to select innovations in patents to improve temporary edge protection systems in buildings. Ambiente Construído. 2017;17(3):137-51.

United States Labor Accident Statics 2016. 2018.

Peñaloza G. A., Formoso C. T., Saurin T. A. Avaliação de requisitos de desempenho de Sistemas de Proteção Periférica (SPP). Ambiente Construído. 2015;15(4):267-89.

Roberts D. T. Risk assessment and your eletrical safety program perfomance at the organizational and worker levels. IEEE Industry Applications Magazine. 2016;16(3):33-9.

Tavares J. C. Noções de prevenção e controle de perdas. 2012.

Zhao D., McCoy A., Kleiner B., Feng Y. Integrating safety culture into OSH risk mitigation: a pilot study on the electrical safety. Journal of Civil Engineering and Management. 2016;22(6):800-7.

5dde835d0e88254c037b23c7 gp Articles
Links & Downloads

Gest. Prod.

Share this page
Page Sections