Gestão & Produção
https://gestaoeproducao.com/article/doi/10.1590/0104-530x3832-20
Gestão & Produção
Artigo Original

Effects of the use of fiscal policy of incentive to innovation in performance of brazilian companies

Itzhak David Simão Kaveski; Iago França Lopes; Ilse Maria Beuren

Downloads: 0
Views: 72

Abstract

Abstract The literature has some empirical evidence of the effects of fiscal incentives to increase private investment in innovation. Thus, this study aims to analyze the effects of the use of fiscal policy of incentive to innovation in performance of Brazilian companies listed on the Brasil Bolsa Balcão (B3). The research population comprised 494 companies and the sample was different for each performance variable, alternating between 221 and 251 companies. The accounting and market values of the period from 2006 to 2014 were used as performance parameters of the companies, and the use of fiscal policy of incentive to innovation was operationalized with a dummy variable. The data were analyzed by means of logistic regression. The results related to the accounting indicators show that the ROA, ROCE and ROE are positively and significantly related to the Innovation Incentive Tax Policy. While these measures may encourage companies to increase investments in Research, Development & Innovation (RD&I), they create distortions between companies and sectors because of the effects of these unsubsidized measures. As for the results related to market indicators no significant relationships were found. These results show that government actions and the posture of companies to make their RD&I practices less costly are still not captured by the market. It is concluded that the use of fiscal policy of incentive to innovation is reflected in the performance of the companies surveyed in the analyzed period, which is partly explained by the fact that they are allowed to deduct investments in RD&I in the tax base.

Keywords

Fiscal Policy of Incentive to Innovation, Research, Development & Innovation, Performance

Referências

Araújo B. C. Incentivos fiscais à pesquisa e desenvolvimento e custos de inovação no Brasil. 2010.

Guia prático de apoio à inovação: onde e como conseguir apoio para promover a inovação em sua empresa.. 2010.

¿Cómo repensar el desarrollo productivo?. 2014.

Lei nº 2.433, de 19 de maio de 1988. Dispõe sobre os instrumentos financeiros relativos à política industrial, seus objetivos, revoga incentivos fiscais e dá outras providências. 1988.

Lei nº 8.661, de 2 de junho de 1993. Dispõe sobre os instrumentos financeiros relativos à política industrial, seus objetivos, revoga incentivos fiscais e dá outras providências. 1993.

Lei nº 11.196, de 21 de novembro de 2005. Institui o Regime Especial de Tributação para a Plataforma de Exportação de Serviços de Tecnologia da Informação - REPES, o Regime Especial de Aquisição de Bens de Capital para Empresas Exportadoras - RECAP e o Programa de Inclusão Digital; dispõe sobre incentivos fiscais para a inovação tecnológica; altera o Decreto-Lei nº 288, de 28 de fevereiro de 1967, o Decreto nº 70.235, de 6 de março de 1972, o Decreto-Lei nº 2.287, de 23 de julho de 1986, as Leis nºs 4.502, de 30 de novembro de 1964, 8.212, de 24 de julho de 1991, 8.245, de 18 de outubro de 1991, 8.387, de 30 de dezembro de 1991, 8.666, de 21 de junho de 1993, 8.981, de 20 de janeiro de 1995, 8.987, de 13 de fevereiro de 1995, 8.989, de 24 de fevereiro de 1995, 9.249, de 26 de dezembro de 1995, 9.250, de 26 de dezembro de 1995, 9.311, de 24 de outubro de 1996, 9.317, de 5 de dezembro de 1996, 9.430, de 27 de dezembro de 1996, 9.718, de 27 de novembro de 1998, 10.336, de 19 de dezembro de 2001, 10.438, de 26 de abril de 2002, 10.485, de 3 de julho de 2002, 10.637, de 30 de dezembro de 2002, 10.755, de 3 de novembro de 2003, 10.833, de 29 de dezembro de 2003, 10.865, de 30 de abril de 2004, 10.925, de 23 de julho de 2004, 10.931, de 2 de agosto de 2004, 11.033, de 21 de dezembro de 2004, 11.051, de 29 de dezembro de 2004, 11.053, de 29 de dezembro de 2004, 11.101, de 9 de fevereiro de 2005, 11.128, de 28 de junho de 2005, e a Medida Provisória nº 2.199-14, de 24 de agosto de 2001; revoga a Lei nº 8.661, de 2 de junho de 1993, e dispositivos das Leis nºs 8.668, de 25 de junho de 1993, 8.981, de 20 de janeiro de 1995, 10.637, de 30 de dezembro de 2002, 10.755, de 3 de novembro de 2003, 10.865, de 30 de abril de 2004, 10.931, de 2 de agosto de 2004, e da Medida Provisória nº 2.158-35, de 24 de agosto de 2001; e dá outras providências. 2005.

Decreto nº 5.798, de 7 de junho de 2006. Regulamenta os incentivos fiscais às atividades de pesquisa tecnológica e desenvolvimento de inovação tecnológica, de que tratam os arts. 17 a 26 da Lei n° 11.196, de 21 de novembro de 2005. 2006.

Lei nº 11.487, de 15 de junho de 2007. Altera a Lei no 11.196, de 21 de novembro de 2005, para incluir novo incentivo à inovação tecnológica e modificar as regras relativas à amortização acelerada para investimentos vinculados a pesquisa e ao desenvolvimento. 2007.

Instrução normativa RFB nº 1.187, de 29 de agosto de 2011. Disciplina os incentivos fiscais às atividades de pesquisa tecnológica e desenvolvimento de inovação tecnológica de que tratam os arts. 17 a 26 da Lei nº 11.196, de 21 de novembro de 2005.. 2011.

Relatório anual da utilização dos incentivos fiscais - ano base 2014. 2015.

Calmanovici C. E. A inovação, a competitividade e a projeção mundial das empresas brasileiras. Revista USP. 2011:190-203.

Chaves S. K. O impacto da Lei do Bem sobre o desempenho econômico de empresas de capital aberto.. 2016.

Chaves S. K., Costa C. M. O impacto da Lei do Bem sobre o desempenho financeiro de empresas de capital aberto. 2016.

David P. A., Hall B. H., Toole A. A. Is public R&D a complement or substitute for private R&D? A review of the econometric evidence. Research Policy. 2000;29(4):497-529.

Fávero L. P. Análise de dados: modelos de regressão com EXCEL®, STATA® e SPSS®. 2015.

Formigoni H., Carneiro M. I. V., Gomes M. E. R., Segura L. C. A relação entre os incentivos fiscais da Lei do Bem (PDTI) e a geração de riqueza pelas companhias abertas brasileiras. Contabilometria. 2015;2(1):1-14.

Garcia C., Bicalho T. Histórico dos mecanismos de apoio por meios dos incentivos fiscais.. Lei do Bem: como alavancar a inovação com a utilização dos incentivos fiscais.. 2014.

Georghiou L., Edler J., Uyarra E., Yeow J. Policy instruments for public procurement of innovation: Choice, design and assessment. Technological Forecasting and Social Change. 2014;86:1-12.

Gujarati D. N., Porter D. C. Econometria básica. 2011.

Kim W. S., Yun K. Y. Fiscal policy and development in Korea. World Development. 1988;16(1):65-83.

Levy D. M. Estimating the impact of government R&D. Economics Letters. 1990;32(2):169-73.

Lopes I. F., Beuren I. M. Evidenciação da Inovação no Relatório da Administração: uma análise na perspectiva da Lei do Bem (Lei Nº. 11.196/2005). Perspectivas em Gestão & Conhecimento. 2016;6(1):109-27.

Lopes I. F., Beuren I. M., Dametto I. D. R. B. Evidenciação dos recursos aplicados em pesquisa, desenvolvimento & inovação e da redução de carga tributária por empresas listadas na BM&FBovespa. ConTexto. 2016;16(32):53-76.

Mendes D. R. F., Oliveira M. Â. C., Pinheiro A. A. Política Nacional de Ciência, Tecnologia e Inovação: avaliação do marco regulatório e seus impactos nos indicadores de inovação. Revista de Empreendedorismo e Gestão de Pequenas Empresas. 2013;2(1):22-46.

Montmartin B., Herrera M. Internal and external effects of R&D subsidies and fiscal incentives: empirical evidence using spatial dynamic panel models. Research Policy. 2015;44(5):1065-79.

Oliveira O., Zaba E., Forte S. Razão da não utilização de incentivos fiscais à inovação tecnológica da Lei do Bem por empresas brasileiras. Revista Contemporânea de Contabilidade. 2017;14(31):67-88.

Manual de Frascati: metodologia proposta para levantamentos sobre pesquisa e desenvolvimento experimental. 2013.

Oyadomari J. C. T., Cardoso R. L., Silva B. O. T., Perez G. Sistemas de controle gerencial: estudo de caso comparativo em empresas inovadoras no Brasil. Revista Universo Contábil. 2010;6(4):21-34.

Piva S. H. Os incentivos fiscais às atividades de pesquisa e desenvolvimento de inovação tecnológica. 2013.

Schumpeter J. A. Teoria do desenvolvimento econômico.. 1961.

Silva C. G., Terra F. H. B. O desempenho econômico brasileiro em 2011 e perspectivas para 2012: uma análise rápida em um período complexo. Revista Economia & Tecnologia. 2012;8(1):7-17.

Soly B., Paixão F., Tavares L., Azevedo P., Souza P. Os incentivos fiscais à inovação tecnológica.. Lei do Bem: como alavancar a inovação com a utilização de incentivos fiscais.. 2014.

Vasconcelos F. C., Cyrino A. B. Vantagem competitiva: os modelos teóricos atuais e a convergência entre estratégia e teoria organizacional. Revista de Administração de Empresas. 2000;40(4):20-37.

Zittei M. V. M., Lugoboni L. F., Rodrigues A. D. L., Chiarello T. C. Lei do Bem: o incentivo da inovação tecnológica como aumento da competitividade global do Brasil. Gestão, Inovação e Tecnologias. 2016;6(1):2925-43.

5e7e3e790e8825a72ee1a446 gp Articles
Links & Downloads

Gest. Prod.

Share this page
Page Sections