Gestão & Produção
https://gestaoeproducao.com/article/doi/10.1590/0104-530x3564-20
Gestão & Produção
Artigo Original

Technical deviations that generate medicines return: in the distributor in the southeast of Goiás

Larissa Juliana Patrocínio da Silva; Vagner Rosalem

Downloads: 0
Views: 181

Abstract

Abstract Not all medicines received in the laboratory by distribution are in accordance. The purpose of the article was to identify concerning the technical and financial aspects that generate returns in a distributor of medicines through documentary analysis of company records for the period from 2014 to 2015. Using this analysis, a spreadsheet was made with the types of technical deviations, such as breakdowns, lacks, short shelf life, divergence of lot, product exchange, packaging errors (lack of seal, lot printing error, shelf life printing error, faulty packing) and surplus product, product name, quantity, class, lot, laboratory, price and shelf life. A mapping of the processes was done, from the purchase of medicines to the receiving and storage of it by the company. Seven types of technical deviations were found, and its characteristics were presented. The total value of the loss to the distributor due to technical deviations was in total R$914,864.57 for the period between 2014 and 2015. It was also presented a proposal for a checklist to be used by distributors of medicines.

Keywords

Technical deviations, Distributor of medicines, Reverse logistics

Referências

Bowersox D. J., Closs D. J. Logística empresarial: o processo de integração da cadeia de suprimento. 2001.

Lei nº 5.991, de 17 de dezembro de 1973. Dispõe sobre o controle sanitário do comércio de drogas, medicamentos, insumos farmacêuticos e correlatos, e dá outras providências. 1973.

Portaria nº 802, de 8 de outubro de 1998. 1998.

Portaria nº 344 de 12 de Maio de 1998. Aprova o Regulamento Técnico sobre substâncias e medicamentos sujeitos a controle especial. 1998.

Resolução RDC nº 35, de 25 de fevereiro de 2003. Determina todos os estabelecimentos Distribuidores e Fracionadores de Insumos Farmacêuticos o cumprimento das diretrizes estabelecidas no Regulamento Técnico de Boas Práticas de Distribuição e Fracionamento de Insumos Farmacêuticos. 2003.

Resolução RDC nº 55, de 17 de março de 2005. 2005.

Assistência farmacêutica na atenção básica: instruções técnicas para sua organização. 2006.

RDC nº 25 de 29 de Março de 2007. Dispõe sobre a terceirização de etapas de produção, de análises de controle de qualidade e de armazenamento de medicamentos. 2007.

Resolução RDC nº 81, de 5 de novembro de 2008. Dispõe sobre o Regulamento Técnico de Bens e Produtos Importados para fins de Vigilância Sanitária. 2008.

Resolução RDC nº 44, de 17 de agosto de 2009. Dispõe sobre boas práticas farmacêuticas para o controle sanitário do funcionamento, da dispensação e da comercialização de produtos e da prestação de serviços farmacêuticos em farmácias e drogarias e dá outras providências. 2009.

Resolução RDC nº 17, de 16 de abril de 2010. Dispõe sobre as Boas Práticas de Fabricação de Medicamentos. 2010.

Resolução RDC n° 17, de 22 de março de 2012. Dispõe sobre a alteração da Resolução da Diretoria Colegiada - RDC n.º 222, de 28 de dezembro de 2006, que dispõe sobre os procedimentos de petição e arrecadação eletrônica no âmbito da Agência Nacional de Vigilância Sanitária - ANVISA e dá outras providências. 2012.

Consulta a medicamentos. 2015.

Sistema de notificações para a vigilância sanitária. 2016.

RDC nº 301 de 21 de Agosto de 2019. Dispõe sobre as Diretrizes Gerais de Boas Práticas de Fabricação de Medicamentos. 2019.

Caon S., Feiden I. R., Santos M. A. Desvios de qualidade de medicamentos em ambiente hospitalar: identificação e avaliação das ocorrências. Revista Brasileira de Farmácia Hospitalar e Serviços de Saúde. 2012;3:23-6.

Carvalho A. C. O impacto negativo da pirataria no cenário mercadológico e as dificuldades no combate à falsificação. Revista do IBRAC. 2005;12(3):47-84.

Castro S. D. Sistemas produtivos locais no Estado de Goiás: o caso da Indústria Farmacêutica do Eixo Goiânia – Anápolis. 2004.

Chaves G. L. D., Alcântara R. L. C., Assumpção M. R. P. Medidas de desempenho na logística reversa: o caso de uma empresa do setor de bebidas. Relatórios de Pesquisa em Engenharia de Produção. 2009;8(2):1-23.

Coêlho H. L. Farmacovigilância: um instrumento necessário. Cadernos de Saúde Publica. 1998;14(4):871-5.

Boletins com dados de 2016. 2016.

Dados. 2016.

Corrêa H. L. Gestão da rede de suprimentos: integrando cadeias de suprimento. 2010.

De Brito M. P. Managing reverse logistics or reversing logistics management?. 2004.

Diehl A., Tatim D. Pesquisa em ciências sociais aplicadas: métodos e técnicas. 2004.

Freitas H., Moscarola J. Da observação à decisão: métodos de pesquisa e de análise quantitativa e qualitativa de dados. Revista de Administração de Empresas. 2002;1(1):1-30.

Gil A. C. Métodos e técnicas de pesquisa social. 1994.

Gonçalves M. E., Marins F. A. S. Logística reversa numa empresa de laminação de vidros: um estudo de caso. Gestão & Produção. 2006;13(3):397-410.

Guarnieri P., Kovaleski J. L., Stadler C. C., Oliveira I. V. A caracterização da logística reversa no ambiente empresarial em suas áreas de atuação: pós-venda e pós-consumo agregando valor econômico e legal. Tecnologia & Humanismo. 2005;19(1):120-31.

Hiratuka C., Corazza R. I., Rosandiski E. N., Fracalanza P. S., Luna I., Oliveira A. L. R., Vargas M. Logística reversa para o setor de medicamentos. 2013.

Kabir M. I. Reverse logistics in pharmaceutical industry. International Journal of Supply Chain Management. 2013;2(1).

Leite P. R. Canais de distribuição reversos, 8ª parte. Revista Tecnologística. 2000;6(61):60-7.

Leite P. R. Logística reversa: nova área da logística empresarial. 2002.

Leite P. R. Logística reversa: meio ambiente e competitividade. 2009.

Lima Jr. F. R., Osiro L., Carpinetti L. C. R. Métodos de decisão multicritério para seleção de fornecedores: um panorama do estado da arte. Gestão & Produção. 2013;20(4):781-801.

Lima P. F., Cavassini A. C. M., Silva F. A. T., Kron M. R., Gonçalves S. F., Spadotto A., Lima S. A. M. Queixas técnicas e eventos adversos a medicamentos notificados em um hospital sentinela do interior de São Paulo, 2009-2010. Epidemiologia e Serviços de Saúde: Revista do Sistema Unico de Saúde do Brasil. 2013;22(4):679-86.

Machline C., Amaral Jr. J. B. C. Avanços logísticos no varejo nacional: o caso das redes de farmácias. Revista de Administração de Empresas. 1998;38(4):63-71.

Marin N., Luiza V. L., Osorio-de-Castro C. G. S., Machado-dos-Santos S. Assistência farmacêutica para gerentes municipais. 2003.

Mattar F. N. Pesquisa de Marketing. 1996.

Narayana S. A., Elias A. A., Pati R. K. Reverse logistics in the pharmaceuticals industry: a systemic analysis. International Journal of Logistics Management. 2014;25(2):379-98.

A importância da Farmacovigilância: monitorização da segurança dos medicamentos. 2005.

Rabelo R. B. Vigilância pós-comercialização de produtos para a saúde: o desafio da rede sentinela. 2007.

Reis A. M. M., Perini E. Desabastecimento de medicamentos: determinantes, consequências e gerenciamento. Ciência & Saúde Coletiva. 2008;13(^sSupl.):603-10.

Rissi N. M. N. Gestão de desvios técnicos no recebimento de medicamentos na Central de Abastecimento Farmacêutico. 2011.

Rocha A. S., Teófilo R. B., Sousa P. C., Santos L. Logística reversa como ferramenta de planejamento e controle das devoluções de mercadorias de uma empresa atacadista. 2008.

Rogers D. S., Tibben-Lembke R. S. Going backwards: reverse logistics trends and practices. 1999.

Rogers D. S., Lambert D. M., Croxton K. L., García‐Dastugue S. J. The returns management process. International Journal of Logistics Management. 2002;13(2):1-18.

Sampaio M., Csillag J. M. Integração da cadeia de suprimentos da indústria farmacêutica. RAI: Revista de Administração e Inovação. 2010;7(1):109-30.

Tobar F., Yalour M. R. Como fazer teses em saúde pública: conselhos e ideias para formular projetos e redigir teses e informes de pesquisa. 2001.

Tuma I. L., Carvalho F. D., Marcos J. F. Programação, aquisição e armazenamento de produtos para a saúde. Guia de boas práticas em farmácia hospitalar e serviços de Saúde – SBRAFH. 2009:149-90.

Viana J. C., Alencar L. H. Metodologias para seleção de fornecedores: uma revisão da literatura. Produção. 2012;22(4):625-36.

5e7e3f010e88251b30e1a447 gp Articles

Gest. Prod.

Share this page
Page Sections