Gestão & Produção
https://gestaoeproducao.com/article/doi/10.1590/0104-530x3459-17
Gestão & Produção
Artigo Original

Avaliação de variáveis de sustentabilidade ambiental nas empresas de abastecimento de água e saneamento listadas na BM&FBOVESPA

Assessment of environmental sustainability indexes of water supply and sewage treatment companies listed on the BM&FBOVESPA

Carlos Alberto Di Agustini; Biagio Fernando Giannetti

Downloads: 0
Views: 805

Resumo

Resumo O nível crítico das águas dos reservatórios e das hidrelétricas brasileiras representa o rompimento da 1ª condição da sustentabilidade. A soma do volume de afluência menos a soma do volume de defluência, resulta em 6.418 m3 de água por segundo desfavorável, ao sistema nacional. Neste estudo, apresentamos uma metodologia de contabilidade ambiental que mensura o uso de recursos por unidade comum de eMergia solar, com objetivo de avaliar a interação de variáveis de sustentabilidade ambiental nas empresas de abastecimento de água e saneamento listadas na BM&FBOVESPA em 2014. A mensuração foi realizada mediante definição das fronteiras do sistema de cada empresa com as fontes de energia e materiais que a alimentam. Um diagrama de energia do sistema foi construído e resumido em um diagrama agregado dos fluxos de energia. A partir do inventário das entradas de energia e materiais das empresas no exercício de 2013, foram inventariados os recursos R, N e F, em unidades, transformidades e eMergia/unidade. Foi verificado se os consumidores estão pagando, em seJ/J ou seJ/R$, os recursos recebidos dos ecossistemas naturais quando compram produtos e serviços pagos em dinheiro. O cálculo dos indicadores da contabilidade em eMergia (EYR, ELR e SI) e o diagrama ternário em eMergia e suas linhas de sustentabilidade indicaram posições das empresas em relação aos indicadores de sustentabilidade ambiental. Os investidores na BM&FBOVESPA reconhecem e percebem valor positivo das empresas rotuladas como sustentáveis ambientalmente. No período de 2006 a 2015 o ISE obteve uma performance de +131% em relação ao Ibovespa. Os clientes das empresas CASAN, COPASA, SABESP e SANEPAR pagaram nas tarifas de água e tratamento de esgotos, em R$ médios, 72,5% da eMergia total recebida. Há uma relação de desvantagem entre a biosfera e o sistema de tratamento de água e esgotamento sanitário operado pelas empresas avaliadas.

Palavras-chave

Sustentabilidade ambiental, Empresas de abastecimento de água, BM&FBOVESPA, eMergia

Abstract

Abstract The critical level of the water reservoirs of the Brazilian hydroelectric power plants represents a breach of the first condition of sustainability. The algebraic sum of the volumes of affluence and diffluence shows an unfavorable result of 6418 m3 of water per second to the national system. In this study, we present an environmental accounting methodology that measures the use of resources per solar eMergy common unit aiming to assess the interaction of environmental sustainability indexes in water supply and sanitation companies listed on the BM&FBOVESPA in 2014. The measurement was performed by defining the boundaries of the system of each company with the sources of energy and materials that feed it. A system energy diagram was constructed and the flows were summarized in an aggregate diagram of the energy flows. From the inventory of energy and material inputs of the companies in 2013, the resources R, N, and F were inventoried in units, transformations, and eMergy/unit. It has been found that consumers are paying, in seJ/J or seJ/R$, for the resources received from natural ecosystems when they buy products and services in cash. The calculation of accounting indicators in eMergy (EYR, ELR, and SI) and the ternary diagram in eMergy and their sustainability lines indicated the companies' positions in relation to environmental sustainability indicators. Investors of the BM&FBOVESPA acknowledge and perceive positive value in companies labeled as sustainable. Between 2006 and 2015, the ESI obtained a performance index 131% higher than the Ibovespa index. Clients of the companies CASAN, COPASA, SABESP, and SANEPAR pay in their water and sewage treatment bills (average values in R$) for 72.5% of the total eMergy they receive. There is a disadvantageous relation between the biosphere and the water and sewage treatment systems operated by the assessed companies.

Keywords

Environmental sustainability, Water supply companies, BM&FBOVESPA, eMergy

Referências

Abastecimento urbano de água. 2014.

Alves V. C., Barbosa A. S. Práticas de gestão ambiental das indústrias coureiras de Fraca-SP. Gestão & Produção. 2013;20(4):883-98.

Anchieta J. Arte de grammatica da lingoa mais usada na costa do Brasil feyta pelo P. Ioseph de Anchieta Theologo e Provincial que foy da Cõpanhia de Iesu nas partes do Brasil, com licença do Ordinário e Prepósito Geral da Companhia de Iesu em Coimbra por Antonio de Mariz, 1595. 1595.

Arias M. E., Brown M. T. Feasibility of using constructed treatment wetlands for municipal wastewater treatment in the Bogota Savannah, Colombia. Ecological Engineering. 2009;35(7):1070-8.

Barrella F. A., Almeida C. M. V. B., Giannetti B. F. Ferramenta para tomada de decisão considerando a interação dos sistemas de produção e o meio ambiente. Revista Produção. 2005;15(1):87-101.

Barret G. W., Odum E. P. Fundamentos de ecologia. 2007.

Bassetto L. I. A incorporação da responsabilidade social e sustentabilidade: um estudo baseado no relatório de gestão 2005 da Companhia Paranaense de Energia – COPEL. Revista Gestão & Produção. 2010;17(3):639-51.

Bertolini G. R. F., Rojo C. A., Lezana Á. G. R. Modelo de análise de investimentos para fabricação de produtos ecologicamente corretos. Revista Gestão & Produção. 2012;19(3):575-88.

Empresas listadas. 2014.

Carteira do ISE. 2014.

Empresas listadas. 2015.

Índices. 2016.

Lei nº 6.404, de 15 de dezembro de 1976. Características e Natureza da Companhia ou Sociedade Anônima. 1976.

Instrução normativa SRF nº162, de 31 de dezembro de 1998. Fixa prazo de vida útil e taxa de depreciação dos bens que relaciona. 1999.

Vigilância e controle da qualidade da água para consumo humano. 2006.

Brown L. R. Plano B 4.0: mobilização para salvar a civilização. 2009.

Brown M. T., Ulgiati S. Emergy-based indices and ratios to evaluate sustainability: monitoring economies and technology toward environmentally sound innovation. Ecological Engineering. 1997;9(1-2):51-69.

Brown M. T., Ulgiati S. Emergy evaluations and environmental loading of electricity production systems. Journal of Cleaner Production. 2002;10(4):321-34.

Buenfil A. Emergy evaluation of water. 2001.

Campos L. M. S., Sehnem S., Oliveira M. A. S., Rossetto A. M., Coelho A. L. A. L., Dalfovo M. S. Relatório de Sustentabilidade: perfil das organizações brasileiras e estrangeiras segundo o padrão Global Reporting Initiative. Gestão & Produção. 2013;20(4):5.

Collen B., Goldfinger S., Kalter R., McRae L., Kitzes J., Wackernagel M. 2010 and beyond rising to the biodiversity challenge. 2008.

Nosso futuro comum. 1991.

Marques R. C., Cruz N. F., Pires J. Measuring the sustainability of urban water services. Environmental Science & Policy. 2015;54:142-51.

Daly H. E. Beyond growth. 1996.

Di Agustini C. A. Mercado de capitais e análise de ações. 2009.

Ferreira A. B. H. Novo dicionário da língua portuguesa. 2001.

Giannetti B. F., Barrella F. A., Bonilla S. H., Almeida C. M. V. B. Aplicações do diagrama emergético triangular na tomada de decisão ecoeficiente. Revista Produção. 2007;17(2):246-62.

Giannetti B. F., Neis A. M., Bonilla S. H., Almeida C. M. V. B. Decisões e sustentabilidade ambiental. Qualidade e competência nas decisões. 2007;1:315-36.

Kassai J. R., Feltran-Barbieri R., Carvalho L. N., Foschine A., Cintra Y. C., Afonso L. E. Balanço contábil das nações: reflexões sobre os cenários de mudanças climáticas glocais. Brazilian Business Review. 2012;9(1):65-109.

Kerk G., Manuel A. Contribution to Beyond GDP “Virtual Indicator Expo“Sustainable Society Index (SSI): a new comprehensive index for world wide use. 2008:14.

McKelvey B. Organizational systematics: traxonomy, evolution, classification. 1982.

Meadows D. Indicators and information systems for sustainable development. 1998.

Miranda E. E. Natureza, conservação e cultura. 2009.

Molinos-Senante M., Mocholí-Arce M., Sala-Garrido R. Estimating the environmental and resource costs of leakage in water in a distribution systems: a shadow price approach. The Science of the Total Environment. 2016;568:180-8.

Munck L., Souza R. B. Compreensão do desenvolvimento sustentável em contextos organizacionais a partir do estabelecimento de tipos ideais. Revista O&S. 2013;20(67):651-74.

Odum H. T. Environmental accounting: emergy and environmental decision making. 1996.

Boletim diário. 2014.

Pontes C. A. A., Schramm F. R. Bioética da proteção e papel do Estado: problemas morais no acesso desigual à água potável. Cadernos de Saude Publica. 2004;20(5):1319-27.

Pulselli M. F., Bastianoni S., Marchettini N., Tiezzi E. The road to sustainability. 2008.

Ramsey M. Built Ford tough, with Aluminum?. 2012.

Sant’Ana N. L. S., Medeiros N. C. D., Silva S. A. L., Menezes J. P. C. B., Chain C. P. Concentração de propriedade e desempenho: um estudo nas empresas brasileiras de capital aberto do setor de energisa elétrica. Revista Gestão & Produção. 2016;23(4):718-32.

Notícias e informações sobre o maior complexo de abastecimento da Grande São Paulo. 2014.

Swearer D. K. Buddhism and ecology: challenge and promisse. 2004.

The United Nations World Water Development Report 2014: water and energy. 2014.

Forty-seventh session: agenda item 79. Resolution adopted by the General Assembly [on the report of the second Committee (A/47/719)]47/191: Institutional arrangements to follow up the United Nations Conference on Environment and Development. 1993.

Environmental Accounting and Systems Synthesis of Land Management Interventions at Multiple Scales in the Sahel Region of West Africa: Database Resources: Brazil (2000). 2014.

5defb6e20e88253708b5f733 gp Articles
Links & Downloads

Gest. Prod.

Share this page
Page Sections