Gestão & Produção
https://gestaoeproducao.com/article/doi/10.1590/0104-530x2259-19
Gestão & Produção
Artigo Original

University management: the lean production allied to the program quality of life at work

Gestão universitária: a produção enxuta aliada ao programa qualidade de vida no trabalho

Débora Veber Ribeiro; Taís Oliveira da Silva; Henrique Güths; Paulo Fossati; Rafael Pieretti Oliveira; Douglas Ames

Downloads: 0
Views: 11

Abstract

Abstract This article is a “cut-off” of a research that bears the title: Model of University Management: a look at governance from the Balanced Scorecard (BSC) of an Institution of Higher Education Community (CIHE) in southern Brazil. This is a qualitative case study based on Quality of Life at Work. The issue addressed here is: Under the guise of the principles of lean production, how is the quality of life and quality of life at work, of the staff of the student service sector of a CIHE? Our objective is, as of the mapping of the value stream, to identify how the quality of life and quality of life evaluations in the work of employees of the sector of student assistance of a CIHE. The instruments for data collection are: Value Stream Mapping (VSM); questionnaires and observation. The VSM results indicate a significant loss of time among operations. However, the results of the WHOQOL-bref questionnaire go from a very satisfactory and satisfactory quality of life. Finally, the results of the QWLQ-bref questionnaire demonstrate that quality of life at work is satisfactory. The study suggests improvements to optimize processes reduce losses and ensure satisfaction and quality in customer service.

Keywords

University management, Lean production, Life quality

Resumo

Resumo Este artigo é recorte de uma pesquisa que traz por título: Modelo de Gestão Universitária: um olhar para a governança a partir do Balanced Scorecard (BSC) de uma Instituição de Ensino Superior Comunitária (IESC) do Sul do Brasil. Trata-se de um estudo de caso, do tipo qualitativo. O recorte tem por eixo a Qualidade de Vida no Trabalho. A questão aqui abordada é: Sob o olhar dos princípios da produção enxuta, como está a qualidade de vida e qualidade de vida no trabalho, dos colaboradores do setor de atendimento ao aluno de uma IESC? Nosso objetivo é, a partir do mapeamento do fluxo de valor, identificar como se comportam as avaliações de qualidade de vida e qualidade de vida no trabalho dos colaboradores do setor de atendimento ao aluno de uma IESC. Os Instrumentos para a coleta de dados são: Mapeamento de Fluxo de Valor (MFV); questionários e observação. Os resultados do MFV apontam perda significativa de tempo entre operações. Já os resultados do questionário WHOQOL-bref transitam entre uma qualidade de vida muito satisfatória e satisfatória. Por fim, os resultados do questionário QWLQ-bref demonstram que a qualidade de vida no trabalho é satisfatória. O estudo sugere melhorias para otimizar processos, reduzir perdas e garantir satisfação e qualidade nos serviços prestados ao cliente.

Palavras-chave

Gestão universitária, Produção enxuta, Qualidade de vida

Referências

Braga M. C. P., Casella M. A., Campos M. L. N., Paiva S. P. Qualidade de vida medida pelo Whoqol-Bref: estudo com idosos residentes em Juiz de Fora/MG. Revista de APS. 2011;14(1):93-100.

Lei nº 12.881, de 12 de novembro de 2013. Dispõe sobre a definição, qualificação, prerrogativas e finalidades das Instituições Comunitárias de Educação Superior - ICES, disciplina o Termo de Parceria e dá outras providências. 2013.

Cardoso J. Aplicando o pensamento lean na assistência à saúde. O pensamento lean na saúde: menos desperdício e filas e mais qualidade e segurança para o paciente. 2013.

Cheremeta M., Pedroso B., Pilatti L. A., Kovaleski J. L. Construção da versão abreviada do QWLQ-78: um instrumento de avaliação da qualidade de vida no trabalho. Revista Brasileira de Qualidade de Vida. 2011;3(1):1-15.

Dennis P. Produção lean simplificada. 2008.

Fleck M. P. A., Lousada S., Xavier M., Chachamovich E., Vieira G., Santos L., Pinzon V. Aplicação da versão em português do instrumento de avaliação de qualidade de vida da Organização Mundial da Saúde (WHOQOL-100). Revista de Saúde Pública. 1999;33(2):198-205.

Fleck M. P., Louzada S., Xavier M., Chachamovich E., Vieira G., Santos L., Pinzon V. Aplicação da versão em português do instrumento abreviado de avaliação da qualidade de vida “WHOQOL-bref”. Revista de Saude Publica. 2000;34(2):178-83.

FNQ. 2014.

Glaser-Segura D. A., Peinado J., Graeml A. R. Fatores influenciadores do sucesso da adoção da produção enxuta: uma análise da indústria de três países de economia emergente. Revista ADM. 2011;46(4):423-36.

Greef A. C., Freitas M. C. D., Romanel F. B. Lean Office: operação, gerenciamento e tecnologias. 2012.

Hofacker A., Santos A., Santos A. P. L. A critical view of the German procurement process in the sector. Ambiente Construído. 2012;12(3):45-56.

Jones D., Womack J. Enxergando o todo. 2011.

Lages S. R. C. A saúde do trabalhador frente aos processos de reestruturação produtiva. Estação Científica Online. 2008;5:1-9.

Landsbergis P. A., Cahill J., Schnall P. The impact of lean production and related new systems of work organization on worker health. Journal of Occupational Health Psychology. 1999;4(2):108-30.

Lewchuk W., Stewart P., Yates C. Quality of working life in the automobile industry: a Canada-UK comparative study. New Technology, Work and Employment. 2001;16(2):72-87.

Liker J. K. O modelo Toyota: 14 princípios de gestão do maior fabricante do mundo. 2006.

Liker J. K., Hoseus M. A cultura Toyota: a alma do modelo Toyota. 2009.

Limongi-França A. C. Qualidade de Vida no Trabalho (QVT): conceitos e práticas nas empresas da sociedade pós-industrial. 2008.

Medeiros C. H. Qualidade de vida dos profissionais do Sistema Único de Saúde (SUS) da prefeitura municipal de Alegrete/RS. 2012.

Odebrech T. A. C., Pedroso R. Qualidade de Vida no Trabalho: diferentes percepções de um mesmo processo. Revista Olhar Científico. 2010;1(1):134-53.

Ogata A., Simurro S. Guia prático de qualidade de vida: como planejar e gerenciar o melhor programa para a sua empresa. 2009.

Publicações da OMS. 1995.

Pereira A. P. Liderança e qualidade de vida no trabalho: um estudo sobre a percepção de colaboradores em organizações empresariais. 2012.

Pergher I., Rodrigues L. H., Lacerd D. P. Discussão teórica sobre o conceito de perdas do Sistema Toyota de Produção: inserindo a lógica do ganho da Teoria das Restrições. Gestão & Produção. 2011;18(4):673-86.

Pontes S. K. Produção enxuta e saúde do trabalhador: um estudo de caso. 2006.

Roman D. J., Marchi J. J., Forcellini F. A., Erdmann R. H. Lean Service: aplicação do mapeamento do fluxo de valor em uma organização de serviços. Revista Gestão Industrial. 2013;9(4):868-88.

Rother M., Shook J. Aprendendo a enxergar. 1999.

Saurin T. A., Ferreira C. F. Diretrizes para avaliação dos impactos da produção enxuta sobre as condições de trabalho. Revista Produção. 2008;18(3):508-22.

Yin R. K. Estudo de caso: planejamento e métodos. 2010.

Zanchet T., Saurin T. A., Missel E. C. Aplicação do mapeamento de fluxo de valor em um centro de material e esterilização de um complexo hospitalar. 2007:1-21.

5dde82650e8825fd7f7b23c6 gp Articles
Links & Downloads

Gest. Prod.

Share this page
Page Sections