Gestão & Produção
https://gestaoeproducao.com/article/doi/10.1590/0104-530x1974-19
Gestão & Produção
Artigo Original

Help chain: guidelines for design and operation in Lean Production Systems

Diretrizes para projeto e operação de cadeias de ajuda em Sistemas de Produção Enxuta

Alexandre Pelizzon; Tarcisio Abreu Saurin; Giuliano Almeida Marodin

Downloads: 0
Views: 13

Abstract

Abstract Lean production aims at operational improvement by the elimination of waste and variability reduction. The lean practice known as help chain, which contributes to the lean goals is an underexplored topic. Thus, the objective of this paper is to propose guidelines regarding the help chain design and operation by addressing issues related to the definition of the events that need support from the chain and selection of the members to be involved. The proposed guidelines involve seven steps: (i) delimitation and evaluation of the scenario of application; (ii) identification and classification of abnormalities; (iii) identification of the types and contents of visual devices; (iv) identification of agents involved in the help chain; (v) definition of the operating logic of the help chain; (vi) training and qualification; and (vii) application and evaluation of the results. A partial application in the printing department of a tobacco’s manufacturer plant is a basis for discussing the strengths and weaknesses of the guidelines.

Keywords

Lean production, Help chain, Routine management

Resumo

Resumo O sucesso na implantação de muitas das práticas lean depende da existência de uma estabilidade produtiva básica. Por sua vez, um dos meios de se obter estabilidade é através de rotinas padronizadas para a solução das anormalidades, como as das cadeias de ajuda. O objetivo deste trabalho é propor diretrizes para o projeto e operação de cadeias de ajuda, tratando de questões como a definição de quais eventos necessitam do suporte da cadeia e a seleção dos membros que devem ser envolvidos. As diretrizes propostas envolvem sete passos: (i) delimitação e avaliação do local de aplicação; (ii) identificação e classificação das anormalidades; (iii) identificação dos tipos e conteúdos dos dispositivos visuais; (iv) identificação dos agentes envolvidos na cadeia de ajuda; (v) definição da lógica de operação da cadeia de ajuda; (vi) treinamento e capacitação; e (vii) aplicação e avaliação de resultados. Uma aplicação parcial em uma indústria gráfica ilustra o uso das diretrizes, servindo de base para a discussão de seus pontos fortes e fracos.

Palavras-chave

Cadeia de ajuda, Gestão da rotina, Produção enxuta

Referências

Andrade A. Estudo de caso de implantação da cadeia de ajuda na empresa Alcoa. 2001.

Bendell T. A review and comparison of six sigma and the lean organization. The TQM Magazine. 2006;18(3):255-62.

Campos T. B., Maganhoto S. L., Pacheco A. R., Forcellini F. A. Utilização da cadeia de ajuda no processo de desenvolvimento de produtos. 2010.

Carlile P., Christensen C. The cycles of theory building in management research. 2004.

Dresch A. Design Science e Design Science Research como artefatos metodológicos para Engenharia de Produção. 2013.

Flinchbaugh J. Leading Lean: forging your help chain. 2007.

Horst M. Método de diagnóstico para apoio à implantação da cadeia de ajuda em empresas de manufatura com processos de transformação automáticos. 2011.

Jusko J. The end of the traditional Andon? Don’t overlook new means of communication, like Twitter, on the plant floor. 2010.

Kamada S. A cadeia de ajuda para manter a estabilidade produtiva. 2008.

Lacerda D. P., Dresch A., Proença A., Antunes Jr. J. A. V. Design Science Research: método de pesquisa para a engenharia de produção. Gestão & Produção. 2013;20(4):741-61.

Liker J. K. O modelo Toyota: 14 princípios de gestão do maior fabricante do mundo. 2005.

Liker J. K., Meier D. O modelo Toyota: manual de aplicação. 2007.

Maganhoto S. L. Fatores críticos de sucesso para a cadeia de ajuda: uma proposta para indústria metal mecânica. 2012.

Ohno T. O Sistema Toyota de Produção: além da produção em larga escala. 1997.

Oliveira O. Manual de cadeia de ajuda. 2009.

Saurin T. A., Ribeiro J. L. D., Marodin G. A. Identificação de oportunidades de pesquisa a partir de um levantamento da implantação da produção enxuta em empresas do Brasil e do exterior. Gestão & Produção. 2010;17(4):829-41.

Shah R., Ward P. T. Defining and developing measures of lean production. Journal of Operations Management. 2007;25(4):785-805.

Silva I. B. D., Miyake D. I., Batocchio A., Agostinho O. L. Integrando a promoção das metodologias Lean Manufacturing e Six Sigma na busca de produtividade e qualidade numa empresa fabricante de autopeças. Gestão & Produção. 2011;18(4):687-704.

Smalley A. Creating basic stability. 2005.

Snee R. D. Lean Six Sigma: getting better all the time. International Journal of Lean Six Sigma. 2010;1(1):9-29.

Sobek II D. K., Smalley A. Understanding A3 thinking: a critical component of Toyota’s PDCA management system. 2011.

Spear S., Bowen H. K. Decoding the DNA of the Toyota production system. Harvard Business Review. 1999;77:96-108.

Wagner A. C. Implantação da ferramenta da cadeia de ajuda em um projeto de gerenciamento da rotina numa empresa de compressores. 2011.

5dde81ac0e88258e7c7b23c8 gp Articles
Links & Downloads

Gest. Prod.

Share this page
Page Sections