Gestão & Produção
https://gestaoeproducao.com/article/doi/10.1590/0104-530x-4083-19
Gestão & Produção
Artigo Original

Evaluating management practices in horizontal cooperation SMEs networks: the Ecuadorian context

Avaliação das práticas de gestão em redes de pequenas e médias empresas (PME) de cooperação horizontal: contexto equatoriano

Ximena Rojas-Lema; Victor Pumisacho; Juan-José Alfaro-Saiz; Daniela García

Downloads: 0
Views: 716

Abstract

Abstract Small- and medium-sized enterprises (SMEs) play an important role in the economic growth of a country and of a sector. They seek to be incorporated into permanent productivity and competitiveness dynamics through a cooperation strategy. This article evaluated the application of management practices to horizontal SMEs networks of the dairy sector in Ecuador by following the constructivist methodology. The literature review and exploratory research indicated an understanding of cooperative work in the networks or Milk Collection Centers (MCCs) and identified the need to evaluate performance when applying management practices as an unavoidable element to enhance their operation and development. The construction phase took as reference a model for the evaluation of management practices in cooperation networks and contextualized it to the Ecuadorian environment. In the evaluation phase, three networks were evaluated, from which results and conclusions were obtained. The developed model identified six criteria with which the evaluations of MCCs were made, whose analysis allowed their performance level to be quantified and a proposal of some specific improvement opportunities for this sector and a group of SMEs.

Keywords

Cooperation networks, Management practices, SMEs, Performance measurement, Ecuador

Resumo

Resumo Pequenas e médias empresas (PME) desempenham um papel importante no crescimento econômico de um país e setor; é através da estratégia de cooperação que elas procuram incorporar-se à dinâmica da produtividade e competitividade permanente. Este artigo avaliou a aplicação de práticas de gestão em redes horizontais de PME do setor de lácteos no Equador, seguindo a metodologia construtivista. A revisão da literatura e a pesquisa exploratória permitiram a compreensão do trabalho cooperativo nas redes ou Centros de Coleta (CC), assim como a identificação da necessidade de avaliar o desempenho das práticas de gestão como elemento básico para potencializar sua operação e desenvolvimento. A pesquisa toma como referência um modelo para a avaliação de práticas de gestão em redes de cooperação e contextualiza-o para a realidade equatoriana. A avaliação do nível de desempenho das práticas de gestão é feita em três redes; resultados e conclusões são apresentados. O modelo desenvolvido identifica seis critérios com os quais a avaliação dos CC é desenvolvida e cuja análise permite a quantificação do seu nível de desempenho e a proposta de oportunidades específicas de melhoria para este setor e grupo de PME.

Palavras-chave

Redes de cooperação, Práticas de gestão, Pequenas e médias empresas (PME), Avaliação do desempenho, Equador

Referências

Alderete M. V. Redes de pymes: una visión desde las teorías de club y de equipo. Revista de Economia Institucional. 2015;17(32):317-48.

Arias F. G. El proyecto de investigación: guía para su elaboración. 1999.

Centros de acopio. 2016.

Astigarraga E. El método Delphi. 2003.

Ates A., Garengo P., Cocca P., Bititci U. The development of SME managerial practice for effective performance management. Journal of Small Business and Enterprise Development. 2013;20(1):28-54.

Balestrin A., Vargas L. M. The strategic dimension of the horizontal networks of SMOs: theorizations and evidences. Revista de Administração Contemporânea. 2004;8:203-27.

Barcellos P., Borella M., Peretti J., Galelli A. Insucesso em redes de cooperação: estudo multicasos. Revista de Gestão dos Países de Língua Portuguesa. 2012;11(4):49-57.

Berríos L., Ayca J., Leguizamón F., Umaña V. Barreras a la competitividad y respuestas de pequeños productores rurales en Nicaragua. 2002.

Beverinotti J., Coj-Sam J., Solís G. Dualidad productiva y espacio de crecimiento para las Pymes en Costa Rica. 2015.

Bortolaso I. V., Verschoore J. R., Antunes J. Práticas de gestão de redes de cooperação horizontais: proposição de um modelo de análise. Contabilidade, Gestão e Governança. 2013;16(3):35.

Bravo Velásquez E. La regulación empresarial en la producción de alimentos: impactos en la vida campesina. 2016.

Carrillo M. V., Castillo A., Tato J. L. El “valor” de lo intangible: la gestión de la reputación corporativa: el caso de la marca “Telefónica”. 2008:317-27.

Cassiolato J. E., Lastres H. M. O foco em arranjos produtivos e inovativos locais de micro e pequenas empresas. Pequena empresa: cooperação e desenvolvimento local. 2003.

Castro M., Bulgacov S., Hoffmann V. E. Interorganizational relationships and results: a study in a network of horizontal cooperation of the central region of Paraná. Revista de Administração Contemporânea. 2011;15(1):25-46.

Cimoli M., Castillo M., Porcile G., Stumpo G. Políticas industriales y tecnológicas en América Latina. 2017.

De Rolt C. R., Dias J., Peña F. Análise de redes como ferramenta de gestão para empreendimentos interorganizacionais. Gestão & Produção. 2017;24(2):266-78.

Dini M., Ferraro C. A., Gasaly C. Pymes y articulación productiva: resultados y lecciones a partir de experiencias en América Latina. 2007.

SMEs and co-operation. 2004.

Galdámez E. V. C., Carpinetti L. C. R., Gerolamo M. C. Proposta de um sistema de avaliação do desempenho para arranjos produtivos locais. Gestão & Produção. 2009;16(1):133-51.

Gerolamo M. C., Carpinetti L. C. R., Fleschutz T., Seliger G. Clusters e redes de cooperação de pequenas e médias empresas: observatório europeu, caso alemão e contribuições ao caso brasileiro. Gestão & Produção. 2008;15(2):351-65.

Gutiérrez B. Introducción a los métodos cualitativos: el grupo de discusión. 2010.

Human S., Provan K. An emergent theory of structure and outcomes in small-firm strategic manufacturing networks. Academy of Management Journal. 1997;40(2):368-403.

Jones C., Hesterly W. S., Borgatti S. P. A general theory of network governance: exchange conditions and social mechanisms. Academy of Management Review. 1997;22(4):911-45.

Klein L. L., Pereira B. A. D. Contributions to the interorganizational network management: determinant factors to lead partner companies to exit. Revista Eletrônica de Administração. 2014;20(2):305-40.

Larrinaga O. V., Rodríguez J. L. El estudio de casos como metodología de investigación científica en dirección y economía de la empresa: una aplicación a la internacionalización. European Research on Management and Business Economics. 2010;16(3):31.

Machado de Magalhães J., Daudt C. G., Ross Phonlor P. Vantagens proporcionadas às pequenas e médias empresas por meio da união em redes de cooperação no contexto do venture capital. Revista de Administração Contemporânea. 2009;13(4):583-603.

Machado Padilha A. C., Gallon C., De Mattos P. Fatores condicionantes da implementação de estratégias competitivas e cooperativas: o caso das indústrias de joias de Guaporé-RS. Revista Ibero-Americana de Estratégia. 2012;11(2):34-69.

Magalhães J. M., Daudt C. G., Phonlor P. R. Advantages provided to small and medium-sized enterprises through cooperation networking in the context of venture capital. Revista de Administração Contemporânea. 2009;13(4):583-603.

Martins I., Rialp A., Rialp J., Aliaga-Isla R. El uso de las redes como propulsor para la orientación emprendedora y el crecimiento de la pequeña y mediana empresa. Innovar. 2015;25(55):117-30.

Matta A. Aportes del análisis de redes sociales a la gestión de estrategias de cooperación empresarial. Redes: Revista Hispana Para el Análisis de Redes Sociales. 2012;23(2):146-77.

Naudé P., Zaefarian G., Najafi Tavani Z., Neghabi S., Zaefarian R. The influence of network effects on SME performance. Industrial Marketing Management. 2014;43(4):630-41.

Olave M. E. L., Amato No. J. Redes de cooperação produtiva: uma estratégia de competitividade e sobrevivência para pequenas e médias empresas. Gestão & Produção. 2001;8(3):289-303.

Desarrollo de cadenas de valor alimentarias sostenibles: principios rectores. 2015.

Pequeñas economías: reflexiones sobre la agricultura familiar campesina. 2015.

Padilla R. Política industrial rural y fortalecimiento de cadenas de valor. 2017.

Porter M. Clusters and new economics of competition. Harvard Business Review. 1998;76(6):77-90.

Reis A. P., Amato No. J. Aprendizagem por cooperação em rede: práticas de conhecimento em arranjos produtivos locais de software. Produção. 2012;22(3):345-66.

Santos A. M. M. M., Guarneri L. S. Características gerais do apoio a arranjos produtivos locais. 2000;12.

Schmitz H., Musyck B. Industrial districts in Europe: policy lessons for developing countries?. World Development. 1994;22(6):889-910.

Silva C. A., Baker D., Shepherd A., Jejane C., Miranda S. Agroindustrias para el desarrollo: resultado del Foro Mundial sobre Agroindustrias. 2013.

Tálamo J. R., Carvalho M. M. Redes de cooperação com foco em inovação: um estudo exploratório. Gestão & Produção. 2010;17(4):747-60.

Urmeneta R. Dinámica de las empresas exportadoras en América Latina: el aporte de las pymes. 2016.

Vázquez-Valencia R. A., Aguilar-Benítez I. Organizaciones lecheras en los Altos Sur de Jalisco: un análisis de las interacciones productivas. Región y Sociedad. 2010;22(48):113-44.

Villagrasa A. M. M., Márquez D. Z. Potencialidades del clúster como opción estratégica promotora de competitividad en las pymes de cacao del estado Sucre, Venezuela. Revista Ciencias Estratégicas. 2012;20(27):51.

Wegner D., Bortolaso I. V., Zonatto P. A. F. Small-firm networks and strategies for consolidation: evidence from the Brazilian context. Revista Brasileira de Gestão de Negócios. 2016;18(62):525-44.

5def98ba0e8825203fb5f733 gp Articles
Links & Downloads

Gest. Prod.

Share this page
Page Sections