Gestão & Produção
https://gestaoeproducao.com/article/doi/10.1590/0104-530X5175-20
Gestão & Produção
Artigos Original

Work as management in an environment governed by standards: a study of situations in the steel industry

Adriana Carneiro; Mônica de Fatima Bianco; Adelson Pereira do Nascimento

Downloads: 0
Views: 138

Abstract

Abstract:: This article aims to analyze the renormalization processes in work situations of technicians working in a testing laboratory of a steel company in Southeastern Brazil, explaining the contributions of the analytical perspective of Ergology when investigating how workers are organized to manage their activities in order to meet their production and quality goals, their personal as well as customer satisfaction, and protect themselves from work accidents. The qualitative research was carried out based on the analytical approach of Ergology, and the instruments used for data production were documentary investigation within the organization, direct observation of the activities, and semi-structured interviews with the participating workers. The data were treated using content analysis. It was found that these workers value standard operating procedures as tools to aid in the execution of their duties, but criticize them for being extensive, making consultation tiresome, and request more condensed, practical, and attractive procedures for handling. Research showed that certain unforeseen events in the process are only remedied by oneself and the other, demonstrating that the more complete a prescription is, collective experience fills any gaps, since the activity is more complex than anticipated by the standards. This study may contribute to a better understanding of situations common to the steel industry, as well as to academic progress, demarcating the importance of renormalizations not yet explored in this field of study – Ergology in the –Brazilian steel industry.

Keywords

Ergology, Management, Standardization, Work, Operating procedures

Referências

AçoBrasil. (2018). Dados do setor siderúrgico. Retrieved in 2017, March 20, from http://www.acobrasil.org.br/site2015/indicadores.asp

Analyse Pluridisciplinaire Des Situations De Travail - APST. (1991). Revue du IRETEP. Número especial. Regards nouveaux sur le travail, Ivrysur-Seine, 9, jan-mars.

Associação Brasileira de Normas Técnicas - ABNT (2017). NBR ISO/IEC 17025: Requisitos gerais sobre a competência dos laboratórios de ensaio e calibração. Rio de Janeiro: ABNT.

Bardin, L. (2011). Análise de conteúdo. São Paulo: Edições.

Batista, M. L., Lima, M. E. A., & Antipoff, R. B. F. (2016). A preservação da saúde em situações patogênicas de trabalho: um estudo de caso na siderurgia. Cadernos de Psicologia Social do Trabalho, 19(1), 45-59. http://dx.doi.org/10.11606/issn.1981-0490.v19i1p45-59.

Bianco, M. F., & Holz, E. B. (2015). Trabalho e competência industriosa: uma cartografia ergológica no setor de rochas ornamentais no Brasil. Ergologia, 4, 47-72.

Boni, V., & Quaresma, S. J. (2005). Aprendendo a entrevistar: como fazer entrevistas em Ciências Sociais. Em Tese, 2(1), 68-80.

Brito, J. (2004). Saúde do trabalhador: reflexões a partir da abordagem ergológica. In M. Figueiredo, M. Athayde, J. Brito, & D. Alvarez (Orgs.). Labirintos do trabalho: interrogações e olhares sobre o trabalho vivo (pp. 91-114). Rio de Janeiro: DP&A.

Câmara, R. H. (2013). Análise de conteúdo: da teoria à prática em pesquisas sociais aplicadas às organizações. Gerais. Revista Interinstitucional de Psicologia, 6(2), 179-191.

Campos, V. F. (1992). TQC: Controle da Qualidade Total (6a ed.). Belo Horizonte: Fundação Christiano Ottoni, 1992.

Canguilhem, G. (2001). Meio e normas do homem no trabalho. Pro-Posições, 12(2-3), 109-121.

Canguilhem, G. (2011). O normal e o patológico (7a ed.). Rio de Janeiro: Forense Universitária.

Casadore, M. M. (2016). Sobre os aspectos clínicos e a complexidade do trabalho: as clínicas do trabalho compreendidas pela perspectiva da Psicossociologia. Cadernos de Psicologia Social do Trabalho, 19(2), 177-185. http://dx.doi.org/10.11606/issn.1981-0490.v19i2p177-185.

Clôt, Y. (1999). La fonction psychologique du travail. Paris: PUF.

Colbari, A. (2014). Cultura da inovação e racionalidade econômica no universo do pequeno empreendimento. Interações (Campo Grande), 15(2), 237-247.

Daniellou, F. (2004). Apresentação à edição brasileira. In F. Daniellou (Coord.) A Ergonomia em busca de seus princípios: debates epistemológicos (pp. VII-X). São Paulo: Edgard Blücher.

Dejours, C., Abdoucheli, E., & Jayet, C. (2014). Psicodinâmica do Trabalho: contribuições da Escola Dejouriana à análise da relação prazer, sofrimento e trabalho. São Paulo: Atlas.

Dellagnelo, E. H., & Silva, R. C. (2005). Análise de conteúdo e sua aplicação em pesquisa na administração. In M. M. F. Vieira, & D. M. Zovain (Orgs.), Pesquisa qualitativa em administração: teoria e prática (pp. 97-118). São Paulo: FGV.

Duraffourg, J., Duc, M., & Durrive, L. (2010). O trabalho e o ponto de vista da atividade. In Y. Schwartz, & L. Durrive (Orgs.), Trabalho e Ergologia: conversas sobre a atividade humana (2a ed., pp. 47-87). Niterói: EdUFF.

Durrive, L., & Jacques, A. M. (2010). O formador ergológico ou “Ergoformador”: uma introdução à ergoformação. In Y. Schwartz, & L. Durrive (Orgs.). Trabalho e Ergologia: conversas sobre a atividade humana (2a ed., pp. 295-307). Niterói: EdUFF.

Durrive, L., & Schwartz, Y. (2007). Trabalho & Ergologia: conversas sobre a atividade humana. Niterói: EdUFF.

Durrive, L., & Schwartz, Y. (2008). Revisões temáticas: glossário da Ergologia. Laboreal (Porto), 4(1), 23-28. http://dx.doi.org/10.4000/laboreal.11665.

Fernandes, J. L. (2018). Trabalho informal e desenvolvimentos: introdução. Ergologia, trabalho, desenvolvimentos. Porto: FPCEUP.

Ferreira, M. C. (2010). Chegar feliz e sair feliz do trabalho: aportes do reconhecimento no trabalho para uma ergonomia aplicada à qualidade de vida no trabalho. In A. M. Mendes (Org.), Trabalho e saúde: o sujeito entre a emancipação e a servidão. Curitiba: Juruá.

Figueiredo, M. G., & Athayde, M. R. C. (2005). Organização do trabalho, subjetividade e confiabilidade na atividade de mergulho profundo. Revista Produção, 15(2), 172-183. http://dx.doi.org/10.1590/S0103-65132005000200004.

Flick, U. (2008). Introdução à pesquisa qualitativa (3a ed.). Porto Alegre: Artmed Editora.

Gaskell, G. (2000). Entrevistas individuais e grupais. In M. W Bauer, & G. Gaskell (Orgs.), Pesquisa qualitativa com texto, imagem e som: um manual prático. Petrópolis: Vozes.

Holz, E. B., & Bianco, M. F. (2014). Ergologia: uma abordagem possível para os estudos organizacionais sobre trabalho. Cadernos EBAPE.BR, 12(spe), 494-512. http://dx.doi.org/10.1590/1679-39519106.

International Standard Organization – ISO (2009). The ISO Survey 2009. Genebra: International Standard Organization.

Lodi, S. G., & Bastos, F. C. C. (2017). A importância da padronização organizacional: um estudo de caso na área educacional. Revista Borges, 6(2), 15-25.

Lourenço, C. D. D. S., Ferreira, P. A., & Brito, M. J. D. (2013). O significado do trabalho para uma executiva: a dicotomia prazer e sofrimento. Organizações em Contexto, 9(17), 247-279.

Minayo, M. C. S. (2008). O desafio do conhecimento (11a ed.). São Paulo: Hucitec.

Nascimento, A., Oliveira, M., Zanquetto, H., Fo., & Ladeira, M. (2015). Idade versus Maturidade: uma pesquisa empírica sobre Sistemas de Gestão da Qualidade. Sistemas & Gestão, 10(1), 108-123. http://dx.doi.org/10.7177/sg.2015.v10.n1.a9.

Nouroudine, A. (2011). Como conhecer o trabalho quando o trabalho não é mais o trabalho? Trabalho, Educação e Saúde, 9(Supl. 1), 69-83. http://dx.doi.org/10.1590/S1981-77462011000400004.

Pompeu, A. M., Pinheiro, J. A. S., & Rabaioli, V. (2015). Os modelos de produção e o trabalho padronizado: uma abordagem da produção artesanal à produção enxuta. Multitemas, 47, 89-108.

Pontes, C. R. M., & Santos, E. H. (2016). Debate de normas e valores vivenciado pelo sujeito na atividade do trabalho. Revista Agenda Social, 9(1), 8-18.

Poupart, J., Deslauriers, J. P., Groulx, L. H., Laperrière, A., Mayer, R., & Pires, A. (2008). A pesquisa qualitativa: enfoques epistemológicos e metodológicos. Petrópolis: Rio de Janeiro.

Ruzza, R., Lacomblez, M., & Santos, M. (2018). Ergologia, trabalho, desenvolvimentos. Belo Horizonte: Fabrefactum.

Schwartz, Y. (1994). Trabalho e Gestão: níveis, critérios, instâncias. In M. Figueiredo, M. Athayde, J. Brito, & D. Alvarez (Orgs.), Labirintos do Trabalho: interrogações e olhares sobre o trabalho vivo. Rio de Janeiro: DP&A.

Schwartz, Y. (1998). Os ingredientes da competência: um exercício necessário para uma questão insolúvel. Educação & Sociedade, 19(65), 101-140. http://dx.doi.org/10.1590/S0101-73301998000400004.

Schwartz, Y. (2000a). Le paradigme ergologique ou un métier de Philosophe. Toulouse: Octarès.

Schwartz, Y. (2000b). A comunidade ampliada e o regime de produção de saberes. Trabalho & Educação, 7(7), 38-46.

Schwartz, Y. (2003). Trabalho e uso de si. In Y. Schwartz, & L. Durrive (Orgs.), Travail & Ergologie: Entretiens sur l’activité humaine. Toulouse: Octarès Editions.

Schwartz, Y. (2006). Entrevista. Revista Trabalho, Educação e Saúde, 4(2), 457-466.

Schwartz, Y. (2010a). Reflexão em torno de um exemplo de trabalho operário. In Y. Schwartz, & L. Durrive (Orgs.), Trabalho & Ergologia: conversas sobre a atividade humana (2a ed., pp. 37-46). Niterói: EdUFF.

Schwartz, Y. (2010b). Uso de si e competência. In Y. Schwartz, & L. Durrive (Orgs.). Trabalho & Ergologia: conversas sobre a atividade humana (2a ed., pp. 205-221). Niterói: EdUFF.

Schwartz, Y. (2010c). A experiência é formadora? Educação e Realidade, 35(1), 35-48.

Schwartz, Y., & Durrive, L. (2007). Trabalho & Ergologia: conversas sobre a atividade humana. Niterói: EdUFF.

Schwartz, Y., & Durrive, L. (Orgs.). (2015). Trabalho e Ergologia II: diálogos sobre a atividade humana. Belo Horizonte: Fabrefactum.

Schwartz, Y., Duc, M., & Durrive, L. (2010). A linguagem em trabalho. In Y. Schwartz, & L. Durrive (Orgs.), Trabalho & Ergologia: conversas sobre a atividade humana (2a ed., pp. 131-148). Niterói: EdUFF.

Silva, L. A. (2016). Normalizações e usos de si no trabalho: estudo de caso em uma indústria metal-mecânica. Trabalho e Educação, 25(3), 223-224.

Taylor, F. W. (1990). Princípios de administração científica. São Paulo: Atlas.

Teixeira, C. S., Vigano, F. R., Corrêa, G. A., & Bastos, R. C. (2015). O status atual das certificações no Brasil: um olhar sob A ISO 9001, ISO 14001 E OHSAS 18001. Revista Inova Ação, 4(1), 84-109.

Telles, A. L., & Alvarez, D. (2004). Interfaces ergonomia-ergologia: uma discussão sobre trabalho prescrito e normas antecedentes. In M. Figueiredo (Org.), Labirintos do trabalho: interrogações e olhares sobre o trabalho vivo (pp. 63-90). Rio de Janeiro: DP&A.

Trinquet, P. (2010). Trabalho e educação: o método ergológico. Revista Histedbr, 10(38e), 93-113. https://doi.org/10.20396/rho.v10i38e.8639753.

Vieira, P. R., Jr., & Santos, E. H. (2012). A gênese da perspectiva ergológica: cenário de construção e conceitos derivados. Trabalho e Educação, 21, 83-100.

Wiemes, L., & Balbinotti, G. (2012). A padronização de processo produtivo em uma indústria automobilística: uma análise teórico prática. Conhecimento Interativo, 5(2), 84-97.
 

60ccae6fa9539566ba024db2 gp Articles

Gest. Prod.

Share this page
Page Sections